Archivos de la categoría Em Português

UMA PARAGEM NOS AÇORES: A ILHA DE SÃO MIGUEL

Conselhos para fazer um percurso por livre num paraiso no meio do Atlántico

Lagoa das Sete Cidades
Lagoa das Sete Cidades

Com só 90 km de comprido,15 km de largo e uma população de pouco mais de 100.000 pessoas, na Ilha de São Miguel acumulam-se muitos lugares de interesse. De facto, nós decidimos dedicar-lhe só três dias a esta ilha e sem dúvida não foi suficiente. É todo um exemplo de um pequeno espaço com muito que fazer. Neste artigo, partilho com vocês conselhos para visitar por livre esta formosa ilha.

plantacion de té de Porto Formoso
Chá en Porto Formoso

VOAR NA SATA: UMA FORMA ECONÓMICA DE CHEGAR AOS AÇORES

Ponta Delgada é a cidade mais grande da Ilha e de todo os Açores, e nela está o maior aeroporto do arquipélago. De facto, nós chegamos ao seu aeroporto num voo direto desde Porto com a companhia açoriana SATA, que coneta diariamente os Açores com Lisboa e Porto, assim como com Boston e Toronto, já ao outro lado do Atlántico. É uma companhia a ter em conta pelo seu custo (fora da época alta podemos visitar esta ilha por menos de 100€) e pelas suas conexões económicas com o continente americano; além disso, é a companhia que utilizamos para irmos ate o Canadá em esta outra viagem que também partilho neste blogue (em galego e castelhano).

Furnas
Furnas

COMO IR DO AEROPORTO A PONTA DELGADA

Uma vez no aeroporto, a forma mais razoável de chegar ao centro da cidade é o táxi. Tem um preço único de 10€, que penso que é bastante razoável, sobretudo tendo em conta que não há outro tranporte público disponível coma o autocarro urbano. Os únicos autocarros que vimos no aeroporto são de transporte coletivo de hotéis, que tinham um custo por pessoa maior que o táxi, pelo que o descartamos.

Ponta Delgada
Ponta Delgada

PONTA DELGADA: A CAPITAL

Ponta Delgada é a população mais grande da ilha e conta com quase umas 70.000 pessoas, o que faz dela uma cidade tranquila. A sua vida gira por volta do trânsito do seu porto e do turismo; além disso, é aqui onde encontramos o maior número de hotéis, restaurantes e outros serviços necessários para o viajante.

Igreja Matriz de Ponta Delgada
Igreja Matriz de Ponta Delgada

Em Ponta Delgada temos também vários lugares de interesse. Entre as numerosas igrejas destaca a da Nossa Senhora da Esperança, onde está o Santo Cristo dos Milagres, um santo com grande devoção na ilha e ao que se lhe dedicam as maiores festas da capital. Depois das igrejas, podemos visitar também outros lugares como a porta da cidade, o forte de São Brás ou a Torre Sineira onde há uma boa panorâmica da cidade.

A Illa de San Miguel en coche
A Ilha de Sao Miguel de carro

UMA VOLTA PELA ILHA

Ainda que caminhar por Ponta Delgada é um prazer, o mais espetacular da ilha são sem dúvida as suas paisagens, assim que vos recomendo alugar um carro e fazer uma rota pela estrada que a rodeia. Começando na capital, e se saímos pela estrada direcção oeste, dirigimos-nos a uma das primeiras jóias da ilha: A Lagoa das Sete Cidades e o seu miradouro. A pouca distância (aqui tudo está perto) e de volta à costa, chegamos a Ponta da Ferraria, o ponto mais ocidental da ilha com o seu faro e as curiosas piscinas quentes naturais que aproveitam o calor do interior da terra.

Ponta da Ferraría
Ponta da Ferraría

Já de volta na ER1, a estrada que rodeia a ilha, dirigimos-nos agora em direcção leste à altura da Ponta da Bretanha e continuamos ate Ribeira Grande, outra importante localidade onde recomendo parar um bocadinho e aproximar-se ate á Ponta do Cintrão.

Costa Norte
Costa Norte

Se continuamos rodeando a ilha, e pouco depois de Ribeira Grande, passamos pela plantação de chá de Fonte Formoso, onde nos oferecem uma visita guiada gratuita do processo de elaboração do chá assim como uma desgustação do mesmo.

Chá de Porto Formoso
Chá de Porto Formoso

Dependendo do tempo disponível, aconselharia continuar a rota ate a parte mais ao leste da ilha, ate lugares como a Ponta da Madrugada. Se pelo contrário o viajante conforma-se com ver os pontos mais turísticos, seguirá ao interior ate a localidade de Furnas, onde pode tomar um banho termal. Perto de aqui está também a Lagoa das Furnas e os seus géiseres, que são utilizados mesmo para cocinhar o famoso Cozido das Furnas. Não muito longe, e se as nuvens o permitem, se nos aproximamos ao Miradouro do Salto do Cavalo, gozaremos de uma panorâmica impressionante.

Furnas
Furnas

Se voltamos de novo a Ponta Delgada é imprescindível deter-se também na Lagoa do Fogo, ainda que para ter uma boa panorâmica da mesma vamos necessitar também que as nuvens não nos ocultem a paisagem.

 

Esta rota em carro por volta da ilha levou-nos dois dias, ainda que recomendo se fosse possível, dedicar-lhe ao menos um par de dias mais para poder visitar mais localidades e gozar da tranquilidade com que vive a gente nestes lugares. Recomendo parar em algum bar que encontremos pelo caminho para falar com a gente local assim como dormir em alguma casa rural perdida pela ilha (esto último ficou-nos pendente para outra ocasião).

Furnas dende o Salto do Cabalo
Furnas desde o Salto do Cabalo

GUIA PRÁTICA E RECOMENDAÇÕES

Onde dormir: Nós dormimos todos os dias no Marina Lounge Hostel em Ponta Delgada, e foi sem dúvida uma boa eleição. Recomendo-o por tudo: profesionalidade, desenho, preço…e sobretudo pelos seus propietários Lino e António.

Onde comer: Como o hostel onde nós estábamos tinha cocinha não fomos comer muito pela cidade. Só jantamos fora uma noite, concretamente no Restaurante A Tasca, e foi uma muito boa eleição.

Onde alugar carro: Nós o fixemos com a empresa Euraçor, por recomendação dos proprietários do hostel. Bom preço e sem nengún problema.

Furnas
Furnas

Preços: Posso dizer que está mais ou menos ao mesmo nível que o Portugal continental, pelo que não se pode considerar um destino caro. Como exemplo, aqui deixo o que custan muitas coisas que pode necessitar um viajante para que podam fazer um orçamento:

Dormir: Quarto doble com pequeno-almoço e cocinha (Marina Longe Hostel) 46€ noite
Jantar no restaurante A Tasca de Ponta Delgada: 27,40€ duas pessoas
Aluguer de carro pequeno na empresa Euroaçor: 75€ dois dias seguro incluído
Uma cerveja: muito variable, entre 50 centimos a 1.5€ segundo o local
Um bolo de pan lévedo açoriano: 2.30€

Lagoa do Fogo
Lagoa do Fogo

Isto é tudo! E já sabem que como é habitual neste blogue, se têm alguma dúvida, querem deixar aqui algum conselho mais, ou simplesmente querem comentar ou partilhar uma experiência vossa similar, não duvidem em pôr um comentário.

QUE VER E FAZER EM ROMA

O melhor de Roma.

Rome
Roma

Esta vez chego a uma cidade da Itália sem o carro. Os recordos que tenho de conduzir por este país não são nada bons. Esta vez vou sentado na primeira fila do autocarro que nos traz do aeroporto e posso ver o trânsito sem participar nele. Vejo como o motorista dá mil buzinaços enquanto fala pelo telemóvel, e como discutem um condutor de um carro com outro de uma mota que quase chocam. Um turista que vai perto de mi diz-me: It’s Italy!

E certo que Roma não é um lugar para o transporte privado, mas sim é um sítio estupendo para passear…e sobretudo para ver o melhor da história do império romano e do Renascimento. Porque neste senso Roma está cheio das melhores pegadas destas épocas

 

San Angelo Castle
O Castelo de San Angelo

O mais destacado dos restos romanos são o Fórum e o Coliseu, que estão tão perto um do outro que de facto para a entrada usa-se o mesmo bilhete. No primeiro deles pode-se ver os restos do que era o centro da antigua cidade, como vários edifícios, templos, arcos,…assim como as residências imperiais e o estádio no Monte Palatino contiguo ao Fórum. E do Coliseu que vou dizer: o grande anfiteatro romano com um aforo de umas 50000 pessoas, uma espectacular obra de engenharia de 2000 anos de antigüedade.

 

Colosseo
Coliseu

Perto do Fórum e Coliseu também estão os restos dos Fórum Imperiais e do Mercado de Trajano, assim como a formosa Coluna de Trajano. Com um pouco de imaginação, aqui é singelo retroceder no tempo.

Mas não todos os restos romanos da cidade estão perto do Coliseu. A não muita distância estão as Termas de Caracala e o Templo de Vesta, e na parte mais céntrica da cidade o impressionante Panteão, de visita obrigada (e gratuita), sobre tudo para contemplar a cúpula desde o interior.

 

Trajan's Market
Mercado de Trajano
Trajan's Column
Coluna de Trajano
Pedra da Verdade
Pedra da Verdade

Mas a grande época dourada de Roma não foi só durante o Império Romano, também foi o Renascimento. O melhor lugar de ver pegadas desta época, e da idade noderna, é fazer uma visita até a Cidade do Vaticano e as fontes da cidade.

 

Saint Peter's Square
Praça de Sao Pedro

Cidade do Vaticano é um estado de menos de médio quilómetro quadrado situado na parte oeste de Roma, atravessando o Rio Tiber, mas a um passo do centro. Ali hai que visitar os Museus Vaticanos, com a impressionante Capela Sistina, e a Basílica e Praça de São Pedro. Recomendo também subir até a cúpula da Basílica (sempre que não se padeça de claustrofobia, nem medo às alturas e não importe subir uns quantos centos de escadas) para assim gozar de umas fabulosas vistas de Roma.

 

Views from the Dome of Saint Peter's Basilica
Roma desde a cúpula da Basílica de Sao Pedro

E depois de ver ruinas e museus há que passear. Caminhar muito pelo centro e descobrir as impressionantes Praças como Nabona, Spagna, Popolo, …. ou a famosa Fontana di Trevi.

 

Nabona Square
Piazza Nabona
Fontana di Trevi
Fontana di Trevi

Esto é o imprescindível de Roma: Restos romanos, o Vaticano, as praças e as fontes… Mas esta é uma cidade com tanta história que em qualquer parte da mesma podem-se encontrar lugares interessantes, como o Museu Borghese, as Catacumbas, ou o Bairro do Trastévere e muitos mais. Também pode ser interessante uma pequena excursión até as ruinas de Ostia Antica, para ver a cidade anexa ao porto da antiga Roma. Tudo depende do tempo e a vontade de ver mais história.

 

Ostia Antica
Ostia Antica

E para rematar, repito o conselho que dou sempre aos interessados em viajar a qualquer destino, e que eu acho que é imprescindível para conhecer bem os sítios a onde se viaja,: Depois de ver todos os lugares de interesse, misturarse com os romanos nos seus bares, restaurantes, etc… que se podem reconhecer perfeitamente porque não há quase turistas neles. São melhores e mais baratos, e além disso é menos provável que te enganhem ao cobrar, algo que lamentavelmente é bastante comum na Itália.

 

Popolo Square
Piazza di Popolo

Se queres mais informação, comentar qualquer coisa ou algum erro na minha tradução, podes escrever um comentário ou um correio a cabonorte2009@hotmail.es

QUE VER E FAZER EM BERLIM

O melhor de Berlim

The Branderburg Gate
A Porta de Branderburgo

Quando o GPS do meu carro ainda marcava mais de 20 quilómetros para o centro de Berlim, já entrara nos arredores da cidade, o qual indicava-me a extensão que ocupa a mesma. Mas apesar da suas dimensões fiquei muito surpreendido pelo pouco trânsito e pela quantidade de sítio onde estacionar. Não sei se será pelo bom planeamento que caracteriza aos alemães ou porque não conduzi em horas de muito trânsito, mas tenho que reconhecer que não perdi nem um segundo em atascos em Berlim e ademais vim muito sítio onde estacionar (não posso decir o mesmo de outras cidades alemãs).

A Trabant in Berlin
Um Trabant em Berlim

Mas claro está que para percorrer a cidade o carro não é a melhor solução. Berlim conta com uma boa rede de transporte público que facilita muito a visita, ainda que eu penso que a melhor forma de mover-se por Berlim é a bicicleta. Nós levavamos as nossas, mas lá há muitos lugares onde alugar umas bicis.

Spee River
Rio Spree

Ainda que não é tão formosa coma outras cidades européias, gostei de Berlim porque é história contemporânea pura. Ademais, não existe outro lugar onde se poda ver a diferença tão evidente entre o bloco oriental (DDR) e ocidental, e isso que já faz mais de 20 anos da queda do muro que dividiu a cidade em dois durante quase 30 anos.

.

The Wall
O Muro

O mais interessante da capital alemana para mim é a divisão da cidade pelo antigo muro e com Berlim Leste. Lugares coma a East Side Gallery, Check Point Charlie e o museu da DDR são exemplos puros da história recente da cidade, assim como a impressionante Fernsehturm ou torre de telecomunicações, todo um símbolo do bloco oriental, visível desde quase toda a cidade. Também são famosos os semáforos da DDR Ampelmännchen.

Here was The Wall
Aqui passava o muro
DDR traffic lights
Semáforo da DDR
DDR traffic lights
Semáforo da DDR
In The Wall
No Muro
The East Side Gallery
East Side Gallery

Ainda que já passaram mais de 20 anos da reunificação, a pegada do sistema socialista se pode ver por toda a antiga parte leste da cidade, com avenidas amplas e enormes blocos de prédios de betão. Mas Berlim tem mais que restos da antiga DDR que também merecem ser visitados, coma a Portão de Branderburgo, o Bundestag ou a modernísima Potsdamer Platz , assim coma formosos lugares na beira do Rio Spree. Também é recomendable passear pela rua mais céntrica, a Unter den Linden, e pela Ilha dos Museus.

Karl Marx Avenue
Karl Marx Avenue
Memorial who died crossing the river
Memorial dos mortos atravessando o Rio Spree

Mas como desde o meu ponto de vista só uma pequena parte de viajar é ver museus, o melhor para gozar de Berlim é passear, imaginar-se a sua história pelos restos que podemos ver no presente e frequentar os muitos bares da cidade para tomar umas boas cervejas alemanas. Se buscamos sítios onde não há muitos turistas, podemos encontrar sítios onde comer e beber quantidade e qualidade sem gastar muito dinheiro. Sem dúvida, esto e a sua pegada da história recente são o melhor de Berlim.

Berlin and the River Spee
Berlin e o Rio Spree

Se queres mais informação, comentar qualquer coisa ou algum erro na minha tradução, podes escrever um comentário ou um correio a cabonorte2009@hotmail.es

VIAGEM AO CABO NORTE

Neste novo post, quero partilhar a viagem ao Cabo Norte (Noruega) que fiz em 2009 em carro desde Galiza. Podes ver o itinerario neste mapa:

:

The itinerary
O itinerario

Sempre quis ver o sol de meia-noite, e sabia que o Cabo Norte era um dos melhores sítios para vê-lo. Está situado a 71º 10′ 21″ de latitude, numa alta falésia sobre o Oceano Ártico. O Cabo norte é um lugar famoso também para muitos viajantes. Muitas pessoas chegan ali cada ano desde muitos lugares em carro, mota, autocaravana, …

The North Cape
O Cabo Norte

Fomos ao Cabo Norte duas pessoas e levou-nos um total de 22 dias. Decidimos viajar em Julho, porque o sol de meia-noite pode-se ver ali em Junho e Julho. Atravessamos vários países como França, Alemanha, Suécia ou Finlândia. Neste post podes ver muitas curiosidades e fotografias da viagem, e se precisas mais informação podes ler o post completo neste enlace em galego ou castelhano.

FRANÇA

França é um dos meus paises favoritos, e além disso tenho viajado várias vezes ali. Mas nesta viagem estivemos em dois sítios que nunca visitáramos antes: O Médoc (perto de Bourdeaux) e a Normandía. Em Médoc, muitas pessoas pescan desde estas cabanas especiais.

Saint Christoly Médoc, France
Saint Christoly Médoc, França

A Normandía foi muito famosa na Segunda Guerra Mundial. Visitamos lugares como as praias, canhões e os restos do porto artificial de Arromanches-les-Bains.

Arromanches les Bains, France
Arromanches les Bains, França
In Normandy, France
Em Normandia, França

BÉLGICA

Só passamos uma noite na Bélgica, mas estivemos numa das cidades mais formosas da Europa pelos seus canais e a sua Praça do Mercado: Bruges.

Brugge, Belgium
Bruges, Bélgica
Brugge, Belgium
Bruges, Bélgica

ALEMANHA

Entramos na Alemanha desde Holanda, e não estivemos muito tempo aqui porque preferimos estar mais dias nos países escandinavos. Uma das melhores coisas de alemanha são as suas auto-estradas (não têm limite de velocidade em alguns trajetos), ainda que são perigosas e têm bastante trânsito.

 

SUÉCIA

Entramos na Suécia atravessando a ponte do Oresund (16 quilómetros com a ponte, um túnel e uma ilha artificial). Neste país, visitamos lugares como Bastad, Gotemburgo ou Estocolmo. Bastad está localizado na costa sul, e dormimos neste perfeto Bed and Breakfast.

 

Båstad, Sweden
Båstad, Suécia


Em Gotemburgo (com mais de 500.000 habitantes, é a segunda cidade mais grande da Suécia), reunimo-nos com os nossos amigos Lito, Kersti e Sofía. Gozamos muito de Gothemburg com eles!

 

Feskekörka, Gothemburg, Sweden
Feskekörka, Gotemburgo, Suécia


Também visitamos a capital da Suécia: Estocolmo, que é uma bonita cidade com 14 ilhas. Tem interessantes lugares como a cidade velha (Gamla Stam) ou o Parlamento.

 

Stockholm, Sweden
Estocolmo, Suécia

Continuamos a viagem cruzando Suécia ao norte do país. A estrada atravessa típicas paisagens escandinavas com florestas de coníferas e lagos. Havia que conduzir devagar, já que há muitos sinais de alces.

Warning, mooses
Perigo, alces


Dormir em cabanas (com cocinha) é muito habitual em países escandinavos. Nós sempre dormimos em cabanas nestes lugares, porque são bem mais baratos que um hotel, e poupamos dinheiro também cocinhando nossa comida na cocinha.

 

Cabin in Sweden
Cabana na Suécia


FINLÂNDIA

Na Finlândia, a paisagem escandinava é impressionante. Enormes florestas de coníferas e milheiros de lagos. No Verão, a noite não existe, e a cor do céu é especial. Há muitas renas, que são de menor tamanho que os alces, mas estão por todas partes: Esta é a terra dos sami.

 

A lake in Finland
Um lago em Finlândia
A road and airport. Finland
Uma estrada e aeroporto. Finlândia


Reindeers in Ivalo, Finland
Renas en Ivalo, Finlândia

Em Rovaniemi (aqui vive o Pai Natal), atravessamos o Círculo Polar Ártico, que marca o extremo sul do sol de meia-noite.

 

Arctic Circle in Rovaniemi, Finland
Círculo Polar Ártico em Rovaniemi, Finlândia
Here lives Santa Claus. Rovaniemi, Finland
Aqui vive o Pai Natal. Rovaniemi, Finlândia


NORUEGA: O CABO NORTE E AS ILHAS LOFOTEN

Fizemos a primeira paragem na Noruega em Karasjok, perto da fronteira com Finlândia. Aqui está o Parlamento Sami.

 

Sami Parliament in Karasjok, Norway
Parlamento Sami em Karasjok, Noruega


Em Lakselv, chegamos ao Fiorde Porsangen, no Oceano Ártico. Depois, fizemos aproximadamente 200 quilómetros até entrar na Ilha de Mageroya, atravessando um túnel debaixo do mar (de portagem).

 

Sami tents in Porsangen Fjord, Norway
Tendas Sami no Fiorde Porsangen, Noruega
Porsangen Fjord, Norway
Fiorde Porsangen, Noruega


Uns quilómetros depois, já estávamos chegando ao nosso destino: O Cabo norte. Além disso, o tempo era perfeito (com sol, 20 grados, sem vento…). O Cabo Norte é onde o Oceano Atlántico se junta com o Oceano ártico, e muitas pessoas dízem que é o ponto mais ao norte da Europa, ainda que o Knivskjellodden (perto ao Cabo norte) é em realidade o ponto mais ao norte. aqui, tu podes ver o Globo Terrestre, o monumento às Crianças da Terra ou um centro turístico comercial, mas eu prefiro contemplar a paisagem.

The Globe in The North Cape, Norway
O Globo Terrestre no Cabo Norte, Noruega
The North Cape, Norway
O Cabo Norte, Noruega


Knivskjellodden, Norway
Knivskjellodden, Noruega
The Children of the Earth Monument in North Cape, Norway
Monumento às crianças da terra no Cabo Norte, Noruega

Nós queríamos ver o sol de meia-noite num lugar tranquilo perto do Cabo Norte, por isso escolhimos um lugar perto de skarsvag, a 45 minutos passeando desde este povo.

Midnight sun in North Cape, Norway
Sol de meia-noite no Cabo Norte, Noruega


Ao dia seguinte, começamos o nosso camino ao sul pela estrada E6, junto ao Oceano Atlántico, passando por paisagens incríveis.

Near to E6 road, Norway
Perto à estrada E6, Noruega


Skibotn, Norway
Skibotn, Noruega
Skibotn, Norway
Skibotn, Noruega

Um dia depois, chegamos às ilhas Lofoten. Aqui fomos ate Å, uma formosa aldeia onde remata a estrada. Posso acreditar que nas Ilhas Lofoten há umas das melhores paisagens que tenho visto.

 

Bridge in Lofoten, Norway
Ponte em Lofoten, Noruega
Lofoten Islands, Norway
Ilhas Lofoten, Noruega
Lofoten Islands, Norway
Ilhas Lofoten, Noruega
Å, Lofoten Islands, Norway
Å, Ilhas Lofoten, Noruega
Å, Lofoten Islands, Norway
Å, Ilhas Lofoten, Noruega


O RETORNO

Decidimos voltar por Suécia outra vez, porque preferimos visitar os fiordes do sul noutra viagem (que fizemos no ano 2011, e podes ver o post aqui). Estivemos 3 dias atravessando á Suécia.

 

Lake in Jukkasjärvi, Sweden
Lago em Jukkasjärvi, Suécia
Crossing The Arctic Cicle in Sweden
Atravessando o Círculo Polar Ártico em Suécia
Reindeers on the road, Sweden
Renas na estrada, Suécia


Estivemos também 3 dias na Alemanha. O primeiro dia visitamos um lugar terrível: Oa restos do campo de concentração de Bergen Belsen, onde morreu Anne Frank.

 

Bergen-Belsen concentration camp, Germany
Campo de Concentración de Bergen-Belsen, Alemanha
Here died Anne Frank, Bergen-Belsen concentration camp, Germany
Aqui morreu Anne Frank, Campo de concentración de Bergen-Belsen, Alemanha


Depois, descansamos duas noites em Titisee, na Selva Preta (ao sudoeste de Alemanha).

 

Lake Titisee, Germany
Lago Titisee, Alemanha
Lake Titisee, Germany
Lago Titisee, Alemanha


Levou-nos três dias desde Titisee até a nossa casa, e achamos com outro lugar terrível: Oradour-sur-Glane (França), uma aldeia que foi queimada, com os seus 642 habitantes dentro, pelas German Waffen SS company em 1944. Na actualidade as ruínas da cidade são um memorial.

 

Oradour sur Glane, France (July 2010)
Oradour sur Glane, França (Julho 2010)


A noite seguinte, dormimos em San Vicente de la Barquera, na costa norte da Espanha; e o 23 de Julho chegamos à casa. Estivemos viajando durante 22 dias e fizemos muitos quilómetros, mas voltaríamos a começar a mesma viagem outra vez.

Se queres mais informação, comentar qualquer coisa ou algum erro na minha tradução, podes escrever um comentário ou um correio a cabonorte2009@hotmail.es